Arquivo

Posts Tagged ‘Luta de Classes’

Salmo Vermelho: Cinema à contra pelo

outubro 29, 2010 Deixe um comentário

1898. Em uma pequena Comuna da Hungria trabalhadores entram em greve. A carta de Friedrich Engels lhes sussurra palavras de apoio e esperança. A luta de classes se expressa nos corpos, nas roupas, nas danças, nos instrumentos e nas músicas do proletariado e da burguesia.

Planos seqüência longuíssimos mostram o balé do conflito. O que vemos não é a estetização da política, mas a politização da estética. As formas do filme coincidem com o igualmente revolucionário conteúdo. As preces entoadas impulsionam as forças messiânicas/revolucionárias da luta contra a opressão.

O filme “Salmo Vermelho” resgata algo que havíamos quase que esquecido em épocas de tempos fugazes: A potência da história à contra pelo. Contra pelo em sua concepção, em sua forma e em seu conteúdo.

A história da luta dos trabalhadores já não é mais atrativa ao público do cinema, em verdade a história da luta de classes já não faz mais sentido para nós, sujeitos mergulhados na fetichização mercadológica. Não queremos saber das lutas, dos conflitos, mas simplesmente das compras e do status social.

Trazer à tona este filme, escavado arqueologicamente nos escombros do espetáculo, é rememorar um passado de lutas que têm inicio desde o nascimento da Modernidade – em 1492 com a invasão européia no que se chama América hoje – se estendendo até a busca da comunidade experimental utópica dos sem comunidade nos anos 1960 e 1970. Porem, esse filme não é apenas rememoração das lutas anteriores, mas também a tentativa de ressuscitar do passado aqueles que estão prostrados no chão impedindo o saque de seus bens culturais.

Hoje vemos uma produção cinematográfica que, constantemente, se aproveita da miséria daqueles que estão excluídos da maquina de moer carne capitalista. Drogas, favelas, ação policial, políticos corruptos e muito mais invadem a tela do cinema brasileiro. A história dos vencidos deixa de ter um sentido revolucionário como antes se tinha nas lentes de Nelson Pereira dos Santos em “Rio 40º” e passa a ser a vedete do mercado com “Tropa de Elite 2” com um público de 6,2 milhões de espectadores, deleitando assim o gosto mórbido da massa acrítica cinéfila.

Enquanto isso filmes como “Salmo Vermelho”, e até mesmo alguns do Cinema Novo e Cinema Marginal, são tragados pelo buraco negro do esquecimento. Portanto, o trabalho de citar esses filmes não é somente a busca da rememoração de estéticas e conteúdos alternativos, mas também um impulso poético-político que visa a reparação do silenciamento dessas outras cinematografias fazendo com que se insurjam contra seu próprio tempo, interrompendo – por um momento – o cortejo triunfal dos vencedores.

Download do torrent do filme

Anúncios

Revisitanto o Passado para Reescrever a Ditadura Militar no Brasil

março 3, 2010 Deixe um comentário

Diante de tantas propagandas divulgadas em emails, sites e blogs sobre as eleições à presidencia da Republica nos deparamos com ataques feitos de forma ostenciva a figura da candidata Dilma Rousseff, e de sua atuação na época da Ditadura Militar, categorizando-a como terrorista. Para tanto, neste breve ensaio resolvi saquear a história e reescrever o passado resgatando o entendimento que temos sobre o terrorismo e suas práticas, porem não sendo uma defesa de tal prática e muito menos uma justificativa às ações de Dilma,  mas simplesmente mais um ponto de vista a cerca do Terror, visto que meu ponto de vista, assim como de Paulo Freire, é o ponto de vista dos oprimidos. LEIA MAIS

Do Cabaré ao Lar

janeiro 24, 2010 Deixe um comentário

Do cabaré ao lar” é título do livro da historiadora-anarquista, ou anarquista-historiadora, Margareth Rago. Mesmo que os dois autores sigam caminhos diferentes na analise do operariado a autora mescla as perspectivas de Michel Foucault e Edward P.Thompson neste livro o tornando indispensável para aqueles que desejam estudar a cultura operária e as formas de disciplinarização almejadas por patrões, médicos, psiquiatras e Estado que compreenderam o início do século XX no Brasil, período de 1890 a 1930.

A autora irá fazer uma analise detalhada dos discursos de diversas autoridades como médicos, engenheiros, sanitaristas, higienistas e afins que visavam o “bem estar” do operariado no que concernia a situação nas fábricas, tratamentos com as mulheres, o caso do trabalho infantil e a moradia do operariado. LEIA MAIS AQUI